A maioria das mulheres com fibromialgia sofre de problemas de memória e concentração

Um estudo espanhol publicado no  Journal of Clinical e Experimental Neuropsychology  afirma que a maioria das mulheres com  fibromialgia  dizem ter problemas de memória e não conseguem se concentrar, e a maioria também sofre de ansiedade e depressão.

A fibromialgia é um distúrbio de dor crônica caracterizado por dor e sensibilidade musculoesquelética generalizada,  fadiga , distúrbios do sono, memória e problemas de humor. Os pesquisadores acreditam que essa condição amplifica sensações dolorosas, afetando a maneira como o cérebro processa os sinais de dor. A condição tende a afetar mais as mulheres do que os homens. Os pacientes geralmente têm queixas cognitivas, mas os médicos não sabem se isso ocorre por causa de disfunção cognitiva ou se a depressão clínica é a causa.

“Apesar da ampla aceitação de uma alta freqüência de queixas cognitivas subjetivas em pacientes com fibromialgia, muito poucos estudos anteriores procuraram especificamente quantificar a extensão de tais queixas nessa população”, segundo os autores do estudo, realizado em Santa Maria. Hospital em Lleida, uma cidade no nordeste da Catalunha, na Espanha

O estudo ocorreu entre agosto de 2013 e março de 2014 e recrutou 105 mulheres com fibromialgia. Os pesquisadores realizaram avaliações neuropsicológicas, que incluíram medidas de atenção e funções executivas. Os pacientes foram avaliados através do preenchimento de questionários de vários tópicos, incluindo queixas cognitivas, ansiedade, depressão, intensidade da dor, funcionamento físico, qualidade do sono e qualidade de vida.
Eles relataram que quase 83% das mulheres apresentavam queixas cognitivas, sendo 23% moderadas e 60% moderadas a graves. Os sintomas depressivos foram geralmente descritos como baixa capacidade de memória de trabalho e baixo funcionamento físico diário e foram mais comuns em mulheres que relataram queixas cognitivas. Coletivamente, 82 por cento das mulheres tinham sintomas de depressão e 70 por cento tinham “níveis significativos de ansiedade”, enquanto 68,6 por cento dos participantes tinham depressão e ansiedade.

“Os resultados deste estudo confirmam que as queixas cognitivas subjetivas são muito frequentes em pacientes com fibromialgia, mas não estão relacionadas exclusivamente a sintomas depressivos; disfunção cognitiva funcional e objetiva também poderia estar envolvida em sua manifestação ”, escreveram os pesquisadores. Eles também pediram aos médicos para “não minimizar” as queixas cognitivas de seus pacientes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!